Dalva de Oliveira

Dalva de Oliveira (1917-1972), nome artístico da paulistana Vicentina de Paula Oliveira, é considerada uma das cantoras mais emblemáticas do Brasil. Filha de pai músico e mãe governanta, veio ao Rio de Janeiro após o falecimento do pai.
Possuía uma voz potente que ia do contralto ao soprano, recebendo o apelido de “Rouxinol do Brasil”. Iniciou sua carreira nos anos 30 ao lado de seu futuro marido Herivelto Martins, o casal teve dois filhos: O cantor Pery Ribeiro e o produtor da TV Globo, Ubiratã.

Lançou músicas de sucesso com o trio “Dalva de Oliveira e Dupla Preto e Branco”. Após o rompimento do relacionamento, a cantora seguiu carreira solo e em 1952, com as canções “Tudo Acabado”, “Olhos Verdes” e “Ave Maria do Morro” ganhou o título de Rainha do Rádio.

Morou em Buenos Aires com o segundo marido Tito Climent e adotou uma filha. O casal se separou e Dalva retornou ao Brasil. Se viu afastada da carreira por alguns anos devido a um acidente automobilístico, porém em 1970, lançou o grande sucesso do ano e o seu último: “Bandeira Branca”, marcha-rancho de Max Nunes e Laércio Neves.
Passou a morar sozinha em um casarão, situado na Rua Albano, na Praça Seca, Bairro de Jacarepaguá. Fez apresentações no Teatro Tereza Raquel, em programas de televisão e faleceu dois anos depois vítima de hemorragia no esôfago.

Imagem: Dalva de Oliveira (imagem editada). Domínio público / Acervo Arquivo Nacional

Fale Conosco

Rua Alberto Soares Sampaio, 72 - Taquara (acesse o mapa)
(21) 3256 5641 |21 96429 7838
Horário de funcionamento:
terça a quinta - das 17h às 22h | sexta e sábado - das 17 às 23h
E-mail: contato@casadeculturajpa.com.br